O que é espondiloartrose e como tratá-lo

Entre as doenças da coluna vertebral, as doenças associadas a distúrbios degenerativos são mais comuns que as inflamatórias oncológicas ou infecciosas. Hoje, a espondilartrose é uma das doenças mais comuns. Infelizmente, de acordo com as estatísticas, a maioria dos pacientes procura ajuda de especialistas em um momento em que a doença já tem uma forma negligenciada.

Espondilartrose e uma coluna saudável

As varizes são facilmente eliminadas sem cirurgia! Para isso, muitos europeus usam Nanovein. Segundo os flebologistas, este é o método mais rápido e eficaz para eliminar varizes!

Nanovein é um gel peptídico para o tratamento de varizes. É absolutamente eficaz em qualquer estágio da manifestação de varizes. A composição do gel inclui 25 componentes curativos exclusivamente naturais. Em apenas 30 dias de uso deste medicamento, você pode se livrar não apenas dos sintomas das varizes, mas também de eliminar as conseqüências e a causa de sua ocorrência, além de impedir o re-desenvolvimento da patologia.

Você pode comprar Nanovein no site do fabricante.

A essência da patologia

A espondilartrose é uma doença da coluna vertebral na qual o trofismo é prejudicado, isto é, o suprimento de sangue para a cartilagem, o que leva a alterações degenerativas nas articulações da coluna vertebral.

A coluna vertebral com espondiloartrose perde mobilidade. Portanto, uma lesão como espondiloartrose, sem tratamento, é um caminho certo para a incapacidade grave.

O mecanismo e as etapas do desenvolvimento da patologia

Com a espondiloartrose, ocorre uma alteração na estrutura das articulações facetárias da coluna vertebral, distrofias degenerativas precoces na junção articular próxima, isso leva a uma limitação ou até completa imobilidade da articulação.

O mecanismo de desenvolvimento da espondiloartrose ocorre em várias etapas:

  1. Estágio 1 – a parte cartilaginosa das atrofias articulares.
  2. Estágio 2 – a cartilagem da articulação sofre várias alterações degenerativas, como resultado da perda de proteoglicanos (células proteicas) e dos condrócitos (as principais células do tecido da cartilagem) morrem.
  3. Etapa 3 – a cartilagem da articulação deixa de ser elástica a partir do centro e gradualmente se espalhando para a periferia.
  4. Etapa 4 – as articulações estão expostas.
  5. Etapa 5 – o tecido ósseo da articulação é afetado pela esclerose.
  6. Fase 6 – desenvolve inflamação, que provocou fragmentos da cartilagem.
  7. Etapa 7 – as articulações crescem ao longo das bordas, forma osteófitos.

Alterações na coluna vertebral com patologia

A espondilartrose é frequentemente combinada com osteoartrose. Nesses casos, a lesão combinada progride rapidamente, levando a sérias conseqüências.

Sintomatologia

Os sinais de espondiloartrose começam a aparecer já no primeiro estágio da doença. Cada pessoa tem sinais de espondiloartrose aparecer em momentos diferentes, a dor pode ser de intensidade diferente, tudo depende das características individuais da pessoa.

O primeiro sintoma da espondiloartrose é considerado uma sensação desagradável nas costas, no local do desenvolvimento da patologia. A dor nas costas ocorre ou se intensifica após o esforço físico, com uma mudança na posição do corpo. Rigidez dos movimentos da coluna durante o sono e depois também é observada. A espondilartrose nos estágios iniciais é uma doença quase assintomática, a dor ocorre apenas quando se move, em repouso não é.

Nanovein  Escleroterapia de veias - a mais recente abordagem para o tratamento de varizes

Dor nas costas – os primeiros sintomas da doença

Classificação da distrofia degenerativa das articulações intervertebrais

A espondilartrose em seu desenvolvimento passa por 3 graus, que já mencionamos acima e são classificados por tipo de curso:

  1. Deformação (vértebras mudam de forma devido ao aparecimento de osteófitos).
  2. Anquilosante (ocorre deformação da maioria das articulações).
  3. Degenerativo (superfície articular e discos intervertebrais são destruídos).
  4. Arcado (danos nas articulações envolvidas na conexão das costelas e coluna vertebral).
  5. Descoberta (a patologia só pode estar na coluna cervical, entre a 1ª e a 2ª vértebras).
  6. Displásico (as articulações da coluna vertebral são completamente destruídas e alteradas).
  7. Polissegmentado (várias partes do esqueleto são afetadas ao mesmo tempo).

Especialistas distinguem 3 estágios da espondiloartrose

Com uma alteração degenerativa das vértebras cervicais, a doença é chamada cervicoartrose. A patologia das articulações da região torácica é chamada dorsartrose da coluna vertebral. Alterações degenerativas na região lombar são diagnosticadas como lumboartrose.

Cervical

A espondilartrose cervical é acompanhada por dores doloridas, que de tempos em tempos aparecem após a atividade física. Se não tratada, a dor pode se espalhar para a região occipital, braço, ombro, omoplata. A formação e maior crescimento de osteófitos contribuem para a compressão da artéria vertebral com o desenvolvimento de sintomas apropriados.

Radiografia com espondilartrose cervical

Mama

A espondiloartrose torácica é diagnosticada com base na dor no esterno, o que reduz a capacidade de movimentação. A dor pode estar de um lado ou ser cinto. A ocorrência de dor aguda e aguda ao inalar. Na ausência de tratamento, ocorre uma curvatura do peito, chega ao desenvolvimento de cifose e escoliose.

O tratamento da espondiloartrose torácica deve ser oportuno

Lombar

Com a espondiloartrose lombar, a dor é recorrente, crônica na região lombar. A dor é acompanhada de rigidez. Com um curso rápido da doença e a ausência de tratamento, a dor começa a irradiar para o quadril.

Com espondiloartrose lombar, o paciente tem dores nas costas constantes

Causas da patologia

As causas da espondiloartrose são divididas em dois grandes grupos:

  1. Externo – a carga nas articulações vertebrais é maior do que a suportada pela coluna vertebral, isso pode ser causado por trauma ou por um grande peso corporal.
  2. Distúrbios metabólicos internos, baixa hereditariedade, defeitos nas articulações congênitas, uma patologia autoimune na qual o corpo produz anticorpos para combater o tecido cartilaginoso.

A espondilartrose se desenvolve como resultado de alterações degenerativas-distróficas nas articulações da coluna vertebral, que podem ser associadas simplesmente ao envelhecimento ou aos seguintes fatores:

  1. Má hereditariedade – a presença na anamnese de parentes de espondiloartrose.
  2. Uma grande massa do esqueleto, por exemplo, em atletas.
  3. Aumento do tecido adiposo subcutâneo.
  4. O sexo feminino, ou melhor, o hormônio estrogênio, que é produzido durante a menopausa e tem um efeito significativo no desenvolvimento da osteoartrose.
Nanovein  Celulite por varizes

Uma doença pode se desenvolver devido a muitos fatores.

diagnósticos

É possível diagnosticar espondiloartrose após os seguintes procedimentos:

  1. Raio-X da coluna vertebral em duas projeções. A imagem mostrará alterações nas articulações que indicam o desenvolvimento de espondiloartrose (estreitamento do espaço articular, bem como a presença de esclerose subcondral).
  2. RM da coluna vertebral e tomografia computadorizada. Com a ajuda desses exames, a possibilidade de detectar espondilartrose nos estágios iniciais é bastante grande. Ele permite que você considere a patologia em mais detalhes. Os sinais de RM da espondiloartrose são a presença de áreas escuras no campo da patologia.
  3. Estudo radioisótopo da coluna vertebral. Ajuda a identificar a patologia nas articulações inflamadas.
  4. Exame ultra-sonográfico dos vasos da cabeça e pescoço. Permite excluir a compressão da artéria vertebral.

A ressonância magnética é um dos métodos para diagnosticar patologia

Em alguns casos, bloqueios de diagnóstico são usados. Se após essa manipulação com a introdução de novocaína e corticosteróides, a dor desaparecer – isso confirma o diagnóstico de espondilartrose.

Métodos de tratamento

A espondilartrose não difere na gravidade dos sintomas; portanto, quase sempre uma pessoa doente vem ao médico para assistência médica já no 2º estágio da doença. Os tratamentos para espondiloartrose incluem:

  • tratamento medicamentoso;
  • exercícios de fisioterapia e vários procedimentos;
  • controle nutricional;
  • operações cirúrgicas.

A doença pode ser tratada com medicação ou cirurgia

medicação

O tratamento medicamentoso para a doença inclui:

  1. O uso de drogas anti-inflamatórias (AINEs – ibuprofeno, diclofenaco, etc.).
  2. Ao tomar analgésicos para aliviar a dor (Ketorol, Analgin, etc.), em casos extremos, o médico pode prescrever analgésicos mais graves (opiáceos).
  3. O uso de relaxantes musculares para prevenir espasmos (Midokalm, Tizanidin, Sirdalud, etc.).
  4. Para reduzir a inflamação, são usadas injeções no espaço epidural da articulação.
  5. O uso de condroprotetores contribui para a restauração da cartilagem na articulação ("Alflutop", "Arteparon" etc.).
  6. Recepção de complexos vitamínicos.

Terapia e procedimentos por exercício

Com uma manifestação moderada de espondiloartrose nos primeiros estágios da doença, é possível superar a doença com a ajuda de exercícios destinados a mover e trabalhar as articulações e fortalecer os músculos.

Existem algumas regras que você deve seguir ao fazer os exercícios:

  • as aulas devem ser sistemáticas;
  • movimentos realizados – suaves e lentos;
  • terapia de exercícios não deve trazer dor;
  • bom humor e desejo de se envolver;
  • é proibido usar halteres;
  • todas as cargas estão estritamente sob a supervisão de um especialista em terapia por exercício.

Fazendo exercícios sob a orientação de um médico

Após visitar as primeiras aulas, observa-se um paciente com espondilartrose, como:

  • metabolismo acelerado, o corpo retorna o tom;
  • melhorar as funções vitais das células responsáveis ​​pela densidade do tecido;
  • normalização do metabolismo, o Ca é mais fácil e rápido de digerir.
Lagranmasade Portugal